Tamanho do texto maiorTamanho do texto pequeno
E-Mail
Senha
 
 
  Esqueci a senha  
  Acesso bloqueado  
  Cadastre-se

 
  Notas e Notícias
  Perguntas & Respostas
  Nutriletter
  Teses e monografias
  Diretrizes e Legislação
  Manuais
  Anais de Congressos
  Entrevistas
  Aulas
  Tabelas
  Pirâmides
  Cálculos
  Livros
  Links
  Glossário
 
  Anorexia e Caquexia
  Diabetes
  Imunonutrição
  Fibras
  Nutrição Parenteral
  Probióticos
  Nutrição e Saúde Ideal
  Suplementos Orais
  Terapia Nutricional
  Nutrição Enteral
  Paciente Crítico
  Lipídios em NE
  Nut. Perioperatória
  Fibras em NE
  Nutrição Clínica
  Fórum HMB
  Nutribunal & NSI
  Probióticos em cápsulas
 
  Nutrirepórter
 
  Enquete
  Cartas
  Agenda de eventos
  Ajuda
  Fale Conosco
 
  Quem Somos
  Mapa do Portal
 
  ICNSO
  GANEP
 

 
 
 


 
 
DETALHES - P&R

Autor(a):       Rita de Cássia Borges de Castro
Data:             15/12/2010 21:14:37


Como orientar a eliminação do oxalato da dieta?


O oxalato (ou ácido oxálico) é o produto final do metabolismo de aminoácidos e do ácido ascórbico, que não pode ser metabolizado no organismo humano, sendo excretado pela urina. O aumento na concentração urinária de oxalato pode levar à sua saturação, com consequente formação de cristais e cálculos renais.

O cálculo renal ou nefrolitíase é uma doença multifatorial que se relaciona com desordens genéticas e fatores ambientais. Aproximadamente 80% dos cálculos renais contêm cálcio, pois este mineral reage facilmente com o oxalato, formando oxalato de cálcio. Por esse motivo, em décadas passadas, preconizava-se a restrição da ingestão de cálcio devido à alta porcentagem de pacientes com recorrência de cálculos com hipercalciúria (excessiva eliminação de cálcio pela urina). Entretanto, recomendações atuais não aconselham a restrição de cálcio na dieta, pois evidências demonstram que a baixa ingestão de cálcio pode até contribuir para a formação dos cálculos.

Tem sido observado que indivíduos com obesidade, síndrome do intestino curto ou condições associadas a má absorção intestinal apresentam risco aumentado para o desenvolvimento de cálculos renais.

A seguir são destacadas algumas das abordagens dietéticas para eliminação do oxalato da dieta, durante o tratamento de pacientes com cálculos renais ou com fatores de risco associados ao seu desenvolvimento:

·    Fornecer cálcio extra durante as refeições com alimentos ricos em oxalato para se fixar o oxalato, reduzindo a sua absorção, sendo eliminado pelas fezes.

·    Limitar a gordura em refeições ricas em cálcio, pois o cálcio pode se precipitar com os ácidos graxos formando sabões e deixando o oxalato livre para ser absorvido.

·    Restringir o conteúdo de oxalato da dieta. A restrição do oxalato da dieta foi demonstrada como sendo eficaz na redução da excreção urinária de oxalato. Veja a tabela com os alimentos que tendem a ser mais ricos em oxalatos.

Alimentos a serem evitados:

Aveia, trigo integral, farinha de soja
Morango, uva, cítricos, ameixa ruibarbo
Espinafre, salsa, beterraba, acelga, agrião
Chá preto, café instantâneo, chope
Chocolate, cacau em pó, tofu, grãos de soja, manteiga de amendoim

Estudo científico realizado no Brasil determinou os teores de ácido oxálico de folhas de brócoli, couve-flor e couve submetidas à cocção por diferentes tempos, e concluiu que após 10 minutos de cozimento houve redução dos teores de ácido oxálico.


Bibliografia (s)

Heilberg IP, Schor N. Renal stone disease: Causes, evaluation and medical treatment. Arq Bras Endocrinol Metabol. 2006;50(4):823-31.

Matarese LE. Reabilitação em falência intestinal. In: Waitzberg DL. Nutrição Oral, Enteral e Parenteral na Prática Clínica. São Paulo: Atheneu, 2009;1625-1640.

Santos MAT. Efeito do cozimento sobre alguns fatores antinutricionais em folhas de brócoli, couve- flor e couve. Ciênc Agrotec. 2006;30(2):294-301.




 
 




In compliance since 2001




 
 
Copyright by Nutritotal. Todos os direitos reservados.     Tecnologia : Fermo Sistemas .     Design gráfico : Junco Estúdio Gráfico    Videos : PW Video Server