Tamanho do texto maiorTamanho do texto pequeno
E-Mail
Senha
 
 
  Esqueci a senha  
  Acesso bloqueado  
  Cadastre-se

 
  Notas e Notícias
  Perguntas & Respostas
  Nutriletter
  Teses e monografias
  Diretrizes e Legislação
  Manuais
  Anais de Congressos
  Entrevistas
  Aulas
  Tabelas
  Pirâmides
  Cálculos
  Livros
  Links
  Glossário
 
  Anorexia e Caquexia
  Diabetes
  Imunonutrição
  Fibras
  Nutrição Parenteral
  Probióticos
  Nutrição e Saúde Ideal
  Suplementos Orais
  Terapia Nutricional
  Nutrição Enteral
  Paciente Crítico
  Lipídios em NE
  Nut. Perioperatória
  Fibras em NE
  Nutrição Clínica
  Fórum HMB
  Nutribunal & NSI 2012
  Probióticos em cápsulas
 
  Nutrirepórter
 
  Enquete
  Cartas
  Agenda de eventos
  Ajuda
  Fale Conosco
 
  Quem Somos
  Mapa do Portal
 
  ICNSO
  GANEP
 

 
 
 


 
 
DETALHES - P&R

Autor(a):       Camila Garcia Marques
Data:             18/04/2005 12:18:37


Qual o valor nutricional protéico da combinação de arroz e feijão na dieta do brasileiro?

Assim como a proteína de origem animal apresenta alto valor biológico, tem sido demonstrado que a combinação de cereal e leguminosa também apresenta este mesmo efeito. A mistura do arroz e feijão, hábito tradicional no Brasil, fornece adequado teor nitrogenado, aminoácidos essenciais e digestibilidade de cerca de 80% (1). No consumo conjunto desses alimentos, há complementação dos aminoácidos ofertados por cada um (2). Esta é uma boa combinação porque pode servir de fonte protéica complementar para adultos (3).

O arroz tem deficiência de lisina, porém é rico nos aminoácidos sulfurados metionina e cistina. No feijão, ocorre o contrário: deficiência em metionina e cistina, porém com maior oferta de lisina (1). A metionina e a lisina são aminoácidos essenciais, ou sejam, devem ser fornecidas pela dieta, e a cistina é classificada como condicionalmente essencial, pois em algumas situações pode ser essencial (4).

Em 100g de arroz branco cozido há 109 kcal e 2 g de proteína. No feijão branco cozido, em 100 g, há 118 kcal e 7,8 g de proteína (5).


Referência (s)

1. Marchini JS, Rodrigues MMP, Cunha SFC, et al. Calculation of recommendations regarding protein intake: their application to preschool, school students and adults taking Brazilian foods. Rev Saude Publica. 1994;28(2):146-52.

2. Tartaglia JC. Industrialização, Alimentação e Segurança Alimentar no Brasil. In: Dutra de Oliveira JE, Marchini JS, editores. Ciências Nutricionais. São Paulo: Sarvier; 1998. p. 323-51.

3. Vannucchi H, Duarte RM, Dutra de Oliveira JE. Studies on the protein requirement of Brazilian rural workers ("boias frias") given a rice and bean diet. Int J Vitam Nutr Res. 1983;53(3):338-44.

4. Lajolo FM, Tirapegui J. Proteínas e Aminoácidos. In: Dutra de Oliveira JE, Marchini JS, editores. Ciências Nutricionais. São Paulo: Sarvier; 1998. p. 41-69.

5. Azoube LMO, Garcia RWD, Naves MMV. Tabela de Composição de Alimentos. In: Dutra de Oliveira JE, Marchini JS, editores. Ciências Nutricionais. São Paulo: Sarvier; 1998. p. 363-76.




 
 




In compliance since 2001




 
 
Copyright by Nutritotal. Todos os direitos reservados.     Tecnologia : Fermo Sistemas .     Design gráfico : Junco Estúdio Gráfico    Videos : PW Video Server